A edição nacional do Jornal da CNT, que foi ao ar no dia 10/7/2018, trouxe uma entrevista com o advogado Vinícius Nóbrega a respeito do projeto de lei que havia sido aprovado na Câmara dos Deputados e que, agora, foi rejeitado pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal.

A reprovação do projeto da CAE não significa um ponto final do assunto, pois o projeto pode ser alvo de reanálise pelo plenário do Senado.

O advogado Vinícius Nóbrega já havia participado de outras duas matérias jornalísticas a respeito deste projeto de lei e ambas estão disponíveis no nosso site, pelos links abaixo indicados:

Reportagem do DFTV – Rede Globo

Reportagem do Jornal do Brasil – SBT

O projeto que já foi aprovado na Câmara dos Deputados dispõe que as Incorporadoras estão autorizadas a reter 50% do valor pago pelo Promitente Comprador de imóveis construídos pelo regime de afetação, que é o da grande maioria dos empreendimentos, e que o dinheiro só será devolvido 6 meses após a expedição da carta de habite-se – documento que indica a conclusão das obras.

Para a hipótese de atraso na entrega das obras, o projeto prevê a devolução de 100% dos valores pagos, em prazo de até dois meses e de indenização pelo período de atraso, no valor de 1% sobre a quantia paga pelo consumidor – e não sobre o valor do imóvel.

Os Tribunais, atualmente, têm entendido de modo diverso. Para a hipótese de atraso na entrega, é pacífico o entendimento de que a restituição da totalidade dos valores pagos deve ser imediata e de que tal valor deve ser acrescido de perdas e danos.

 

1 Comment

  • Iran Fernandes carnbeiro
    Posted 15 de julho de 2018 05:52 0Likes

    SE A PESSOA ESTA DESISTINDO. NAO TEM COMO PAGAR. E A
    LEI VAI OBRIGA-LO, ASSUMIR UMA DIVIDA DE 50%….ISSO NAO ACONTECE NEN ENTRE LADRÕES, MAIS NO BRASIL TUDO É POISSIVEL.

Comments are closed.